domingo, 4 de outubro de 2015

Resenha de "Tempos Férteis", de Beatriz Moreira Lima

"Tempos férteis" é o romance de estréia de Beatriz Moreira Lima, publicado pela editora carioca 7 Letras em 2008. Apesar do lançamento já distante no tempo, devo dizer que esta obra de Beatriz não perdeu o viço de forma alguma. Pode ser lida hoje como quando lançada, e poderá ser lida sempre. Talvez porque aposte em um tema que permanece e que pertence a geral, seu mote é a família, no caso uma família tradicional detonada por uma decisão infeliz: Luisa é a protagonista bem casada, bem de vida, mãe de um filho pequeno, que sem consultar o marido resolve fazer um aborto. Evita assim o segundo filho, que não deseja. Seu ato provoca uma discórdia insolúvel entre marido e mulher. É o que basta, o casamento se desfaz, sobram mágoas para todos os lados.

A narrativa é em primeira pessoa, mas não se limita à chorosa voz da protagonista. Acompanha o olhar daqueles que a cercam, assume o ponto de vista de cada um deles, com sensível cuidado. Cada capítulo expõe a consciência de um personagem, cada um deles exerce um papel na história de Luisa.

História que faz certamente mais pelas mulheres do que pelos homens. Os homens neste romance estão irremediavelmente envolvidos em questões tolas e egoístas. Só conseguem atingir alguma relevância quando ocorre uma virada dramática na história que justificará sua presença. São as mulheres que alcançam dimensão maior neste romance, são elas que conquistam as páginas e entregam os segredos da dolorosa convivência. São elas que vão à luta mesmo inseguras e Luisa vai, mas um dos seus problemas é que não consegue lidar com o sentimento de responsabilidade pelo fracasso do casamento. Falta-lhe maturidade, deseja porque deseja sua antiga felicidade de volta e as mudanças a atormentam. Luisa é uma força em busca de estabilidade, tocar em frente a vida de solteira a aflige. Segurança é o que importa. Ela é mãe.

Bem que Luisa tenta seguir o figurino de solteira, em direção à aceitação de que está sozinha enfim. Então algo surpreendente ocorre e a família toda é convocada a demonstrar união no momento difícil. Luisa representa melhor do que ninguém esse poder familiar que é convocado para o alívio e conforto de todos os aparentados. Sua fragilidade emociona, sou capturado pelo seus recorrentes fracassos, ela desmancha. A família ampara. 

Há quem vá condenar a Luisa que só possui talento para esposa e mãe, a Luisa que lamenta o cotidiano assumindo o papel de uma guerreira chorosa. Em 2015 ela está tão inadequada quanto qualquer um de nós. Porém mostra que na dor é possível caminhar. Este é seu mérito, não é uma mulher total que salta da tevê ou da internet. Não é, não é porque mostra que mesmo errando é possível não desistir da felicidade. Que felicidade? Isso é com ela. Se os bons tempos não voltam, é preciso criar outros.

Em 235 páginas, a autora Beatriz Moreira Lima demonstra que tem competência e fôlego de sobra para o ofício de escritora. Uma pena que desde "Tempos Férteis" não publique mais. Seu romance de estréia provoca muita curiosidade sobre tema e personagens de uma segunda história. Talvez a Beatriz escritora aguarde por algo que ainda virá, tempos mais férteis do que este. Será? Esperemos pelos frutos. 

2 comentários:

Claudio disse...

Beatriz com uma habilidade espantosa veste cada personagem em capitulos alternados, emocionando os leitores. Parabens !
Aguardamos o proximo !

Marco Antonio Martire disse...

É isso aí, PS! Tô na fila do próximo também. Obrigado pela visita! Venha sempre.

 
;