quinta-feira, 15 de março de 2012

Ela pode mudar a sua vida

Caminho serenamente pela calçada verde. Os giros das folhas ao vento disputam minha atenção com as cores dos carros e rostos. Um cão musculoso se aproxima na coleira e o som da buzina me distrai do receio que tenho dele. Ouço então o rumor de fundo, os motores funcionando. O vizinho me retribui o bom dia com um sorriso.

Geralmente, o dia da gente é bem diferente desse retrato. É sempre a mesma pressa no comando, ela evita que outra realidade se espalhe, que vejamos as folhas, a lua, o amigo. Nossas casas têm cada vez mais a feição de um refúgio, de lá contemplamos o mundo através das câmeras de tevê. Durante o fim de semana escapamos como o resto da cidade, a multidão se locomove e abraçamos o espírito coletivo. Todos querem a mesma coisa, mas o quê?

Nesta semana em que se comemorou o Dia Nacional da Poesia, recorro a esta crônica para reinvindicar uma parcela de espaço para ela na resposta dessa dúvida. Não estou sugerindo que se leia um livro no fim de semana, ou se escreva um poema. Sugiro uma atitude poética. Desfazer-se das amarras cotidianas não significa abdicar daquela praia boa ou daquele cinema aguardado, mas sim deixar de lado os óbvios pontos de vista.

Dentro de cada dia vive um poema em que somos o protagonista. Para se enxergar nele só é preciso uma singela atenção. Alguns poetas fazem isso juntando letras na tela do computador, a grande maioria simplesmente aproveita a vida. Precisamos mais do que nunca desse inusitado diferencial. Seja no café da manhã com a família ou na cama com a pessoa amada, em qualquer lugar se pode curtir a magia. Inspire-se.

Um comentário:

Kamilla disse...

"Dentro de cada dia vive um poema em que somos o protagonista." - Adorei esta frase.
Parabéns Marcão
Bj, Kamilla

 
;