quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Monólogo com sonho

Se algum dia ouvir
em silêncios constrangedores
que teu sonho não vale
carrega pra fora do alcance dele a vontade
desses homens maus
que te querem levar
pra onde sonhos de outros vão.

Porque tem gente que sonha
e tem poderes
e tem gente que ama demais;

Daí nascem desastres
e enigmas de culpas

Põe-te a salvo
com seu improvável sucesso
que tem gente desquerendo
te ver são;

e não há nada de errado nisso
- sai no jornal
só uma implosão, você sabe
é quebrando por dentro
perdido do mundo

Se os pés do danado
são seus pés imundos
de poeira e terra batida
caminha meu amigo
se adianta, dobre a jornada
que os aliados te visitam.

Cuida do teu sonho,
sua obrigação,
não o deixe no deserto
corpo aberto seco
exposto aos animais de peçonhas;

que homens e mulheres
cobiçam asas

3 comentários:

Alexandre Ferreira disse...

Muitooo bom!!!Se me permite, republicarei no meu facebook com os devidos créditos, estou sempre por aqui lhe lendo!

Marco Antonio Martire disse...

Valeu, amigão! Sua presença é mais do que bem-vinda, é desejada. Volte sempre!

Bruno Moreira Lima disse...

Os aliados existem. É engraçado... Aparecem não sabemos nem de onde e, embora poucos, são sinceros. Talvez de uma repartição pública... Hehehehe Seu sonho de letras é real, meu amigo! Belas palavras para o mundo... Nem tão dadas, nem tão negadas: justas!
Grande abraço!

 
;