domingo, 9 de outubro de 2011

Gaivota

Cansei dos encontros
e uma gaivota o mar.

Para onde foi olhar...
Asas?

Caiu sobre a presa
o meu?

Estico-me,
a caçadora comigo

Será o fim
da vida como a conhece.
Outra pessoa virá
do com ela juntos.

Manobra no trânsito:
merecido beijo,
amigos.

Eu ouço a gaivota na janela
sem dar pela sombra.

Seu abraço tesouro
onde me vôo, me vôo

Endereço minhas pernas.

Uma cama singela
tem lençóis.
Seu humor tem líquidos.

Eu aponto a gaivota,
ela tem destino.

Nenhum comentário:

 
;